Saúde

Os 5 melhores exercícios para melhorar a saúde, de acordo com um médico de Harvard

Embora seja verdade que todos devemos exercitar em prol da nossa saúde, muitos de nós acreditam que, para notar uma diferença real em nosso corpo, devemos praticar os tipos de treinamento que o deixam esmagado e sem fôlego.

Mas não é assim, de acordo com o Dr. I-Min Lee, professor de medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard.

Correr longas distâncias podem ser prejudicial para as articulações e o sistema digestivo; portanto, ele recomenda outros cinco tipos de exercícios, relatou o portal megaricos.com.

O relatório de saúde da Harvard Medical School detalha cada um desses exercícios em um relatório chamado ‘Começando a se exercitar’, que descreve alguns dos melhores tipos de treinamento para a prática.

Os benefícios incluem perda de peso, construção muscular, melhorias cardiovasculares e fortalecimento ósseo. Tudo isso sem desmoronar em triatlos ou maratonas.

Estas são as recomendações do Dr. Lee:

  1. natação

Segundo o Dr. Lee, a natação é “o treino perfeito” porque requer o uso de quase todos os músculos do corpo.

Nadar regularmente por pelo menos 30 a 45 minutos envolve treinamento aeróbico, que está relacionado ao aumento da frequência cardíaca para melhorar a saúde do coração. A natação também protege o cérebro da deterioração relacionada à idade.

Além disso, nadar é um exercício de baixo impacto. “A natação é boa para pessoas com artrite porque é um exercício leve”, explica o Dr. Lee. Também pode reduzir o risco de doenças crônicas, como diabetes tipo 2 ou derrame, de acordo com as escolhas do NHS.

  1. Tai chi

O Tai chi combina respiração profunda e relaxamento com movimentos fluidos. Este tipo de treinamento foi originalmente desenvolvido como uma arte marcial na China do século XIII. É acessível a uma ampla variedade de pessoas, independentemente da idade ou nível de condição física, pois cada praticante segue seu próprio ritmo.

O Tai Chi é particularmente bom para as pessoas mais velhas “porque o equilíbrio é um componente importante do condicionamento físico e algo que perdemos à medida que envelhecemos”, diz o Dr. Lee.

De fato, a pesquisa mostrou que o exercício pode ajudar pessoas com 65 anos ou mais a reduzir o estresse, melhorar a postura, aumentar a força muscular das pernas e melhorar a mobilidade geral.

  1. Treinamento de força

Esse tipo de treinamento envolve o uso de peso, que pode ser o próprio corpo, os pesos ou halteres, para criar resistência contra a força da gravidade. Também é possível usar faixas elásticas ou punhos com pesos no tornozelo.

Especialistas apontam que praticar esse tipo de exercício é uma ótima maneira de reduzir a gordura corporal e aumentar a massa muscular, além de construir ossos fortes e aumentar o metabolismo para ajudar a queimar mais calorias.

  1. Caminhada

Pode parecer insignificante, mas caminhar regularmente, mesmo pequenos trechos, pode fazer maravilhas para sua saúde.

Para sua caminhada ou corrida não se esqueça do tênis Adida Yeezy Boost, maior absorção de impactos, com uma combinação de elegância e leveza.

Os cientistas descobriram que uma caminhada diária de apenas 20 minutos pode adicionar anos à vida. Um estudo da Universidade de Cambridge descobriu que mesmo uma quantidade modesta de atividade física é capaz de prolongar a vida humana.

Em um alerta severo contra o estilo de vida de pessoas viciadas em televisão, concluiu-se que a falta de exercício matou o dobro de pessoas que a obesidade.

Se atualmente você não se exercita regularmente, os pesquisadores de Harvard recomendam iniciar 10-15 minutos de caminhada até 30-60 minutos.

  1. exercícios de Kegel

Os exercícios de Kegel podem ajudar a prevenir ou controlar a incontinência urinária e outros problemas prejudiciais do assoalho pélvico para homens e mulheres.

Muitos fatores podem enfraquecer esses músculos, incluindo gravidez, parto, cirurgia, envelhecimento e excesso de peso.

A maneira correta de fazer Kegels é apertar os músculos que você usaria para reter a urina, de acordo com os pesquisadores de Harvard, que também recomendam manter a contração por dois a três segundos, liberando e repetindo 10 vezes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *