Diet, light e zero: quais as diferenças?

Você está se esmerando em perder peso: entrou em uma academia, ou começou a caminhar regularmente, ou dirige-se aos seus compromissos de bicicleta (além de cuidar do corpo, cuida do planeta, olha só!) e incluiu alimentos saudáveis à sua dieta. Mas ao fazer sua feirinha no supermercado, eis que aparecem em uma gôndola temática sucos light, doces diet, refrigerantes zero.

Preocupada com o que irá à sua boca e às suas células adiposas, pinta uma dúvida muito pertinente: o que há de diferente entre alimentos industrializados zero, light e diet? O que é saudável para emagrecer, quanto se pode consumir, há alguma restrição? Tentaremos dirimir as principais dúvidas a esse respeito a partir de agora.

Quais as reais diferenças entre esses alimentos?

lanches da dieta

Primeiro, as definições. Alimento diet é aquele que, segundo normas da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), tem restrição de algum nutriente ou ingrediente presente em uma versão “normal” e são indicados em dietas restritivas. Para exemplificar: são alimentos sem, por exemplo, açúcar, próprios para quem sofre de diabetes; ou sem adição de sal, para hipertensos. Além de açúcares e sal, alimentos diet podem ser isentos de gorduras, carboidratos ou proteínas.

Alimento light sofre uma redução mínima de 25% de algum ingrediente. Geralmente a redução concentra-se em gorduras e açúcares, caso de alguns pães e iogurtes

O alimento ou bebida zero tem as mesmas características das versões diet; o que muda geralmente é a combinação de adoçantes artificiais e o público-alvo. Enquanto os produtos diet são direcionados para quem não pode consumir açúcar, os produtos zero são feitos para quem quer simplesmente eliminar calorias.

É preciso cautela quanto ao consumo destes alimentos. Alimentos com teor reduzido de sal realmente são indicados para quem tem pressão alta e tem problema com retenção de líquidos, mas a moderação é essencial. Chocolates dietéticos não têm açúcar mas tem mais gorduras. Adoçantes populares como o ciclamato e a sacarina são ricos em sódio (o sal) e por isso nada de encher o suco com eles. Gestantes, crianças e adolescentes devem evitar o consumo indiscriminado de alimentos deste tipo.

Como acelerar o metabolismo

A maioria das pessoas acham que só é possível emagrecer restringindo alimentação e fazendo uso de remédios que ajudam na absorção de certos nutrientes considerados prejudiciais para quem está na fase de emagrecimento como os lipídios e carboidratos. Porém o metabolismo acaba ficando lento, consequente de uma alimentação muito pobre em calorias e com tempo sua perda de gordura vai estabilizando até você não queimar mais gorduras localizadas e ficar em uma fase estacionária.

Isso acontece por conta do metabolismo que está lento. Você poderá voltar a queimar gordura logo em seguida, acelerando o metabolismo e é importante saber fazer de forma correta para não prejudicar à saúde e o funcionamento do próprio organismo.

Como emagrecer acelerando o metabolismo:

Você pode contar com auxilio de alimentos e substâncias chamadas termogênicos que irão atuar nesta função, ou parti para os lados das atividades físicas e mudanças de hábitos, ou até mesmo aliar ambos para maximizar ainda mais a queima de gordura corporal, pois no início é muito mais fácil você conseguir esse objetivo, porém seu potencial de queima de gordura vai se desfazendo gradativamente.

Acelerando o metabolismo com termogênios:

Há uma grande lista de alimentos termogênicos que podem ser combinados com sua alimentação para acelerar o metabolismo, os mais usados são pimenta, canela, chá verde, mostarda, vinagre e etc…

Poderá utilizar também substâncias que atuam diretamente neste processo de termogênese como a cafeína. É uma substância legalizada e liberada para uso nos dias atuais. Até 420mg segundo a ANVISA é considerado uma dosagem segura.

Acelerando o metabolismo com mudanças de rotina:

Os exercícios aeróbicos aceleram de fato o metabolismo fazendo com que a queima de gordura aumenta, o indicado é de aproximadamente 30 minutos de atividade física aeróbica todos os dias.

Há algumas técnicas de mudanças de hábitos que podem ser utilizadas como diminuir a quantidade de alimentos em cada refeição e aumentar a quantidade de refeição, comer de 2 em 2 horas quantidades menores que as normais seria uma boa opção que ajudaria sim a maximizar o potencial de queima de gordura consequente do metabolismo acelerado.

Conclusão:

Você pode combinar todas essa técnicas e assim conseguir uma performance melhor e mais rápido seu objetivo de emagrecimento. O mais indicado é procurar um profissional para esclarecer dúvidas e elaborar um plano alimentar de acordo com sua estatura e peso, assim como objetivos no mesmo.

Classificação dos alimentos

Os alimentos naturais (de boa qualidade) são os que possuem substâncias próprias para atender as necessidades das células. Eles não forçam o sistema digestório e satisfazem os genes. São ricos em vitaminas, sais minerais, enzimas, oligoelementos e outras propriedades que a ciência ainda não nomeou e que fazem a diferença entre o que está vivo e o que está morto.

alimentos saudaveis

Esses são os alimentos que guardam o segredo da vitalidade, longevidade e belez natural das pessoas, eles transmitem saúde, são eles:

  • cereais: trigo, aveia, arroz, milho etc…
  • Frutas: banana, manga, maçã, pessego, etc..
  • Proteína vegetal: no grupo dos feijões, feijão, lentilha, ervilha, grão-de-bico, no grupo das castanhas, a do pará, castanha de cajú, pecã, nozes, amêndoa, avelã,
  • Hortaliças: couve, brócolis, abobrinha, chuchu
  • Alimentos adaptados

Esses são os alimentos que perderam os seus elementos vivos, portanto não podem contribuir para a vitalidade e a cura. São os congelados, o sal, a manteiga, carne, ovos, leite, queijo, peixes. Eles forçam o sistema digestivo e pela degradação da proteína cozida, principalmente, depositam toxinas e sementes de envelhecimento e doenças no organismo.

  • Alimentos nocivos á vida celular

São alimentos que alteram o comportamento, desequilibram o sistema nervoso e desordenam células, agredindo-as

  • café, chás e bebidas alcoólicas
  • frituras em geral, alimentos com gorduras saturadas
  • pimenta, cravo, cacau açúcar
  • sorvete e etc..

Pão de trigo integral

Fique atento quanto ao consumo desses 3 tipos básicos de alimentos e você estará assim regulando seu organismo, para melhor, é claro!

É indicada para o bom funcionamento intestinal pois reduz os níveis de colesterol e açúcar no sangue, aumenta a saciedade além disso a farinha integral é rica em: proteínas, minerais, vitaminas e fibras.

Ingredientes:

  • 5 xícaras de trigo integral
  • 1 colher de fermento para pão
  • 2 xícaras de água morna
  • ½ colher de sopa de sal
  • 4 colheres de óleo de oliva ou canola

Modo de fazer:

Bata no liquidificador a água morna, o fermento e 2 xícaras de trigo integral, ou bata muito bem com as mãos. Junte mais água morna, se necessário. Acrescente os outros ingredientes; sove bem. Deixe crescer. Sove novamente, formando pãezinhos pequenos (1 a 2 colheres de sopa da massa).

Deixe crescer novamente em lugar aquecido. Leve para assar em forno previamente aquecido a 200° c. Pronto seu pão estará uma delícia.